Representantes Sindicais decidem que negociação deve continuar

Continuar a negociação. Essa foi a decisão dos Representantes Sindicais durante o encontro que avaliou a proposta da Companhia relativa à Campanha Salarial 2014/2015, realizado nos dias 26 e 27 de junho, em Porto Alegre.

Abrindo os dois dias de trabalho, o presidente do SINDIÁGUA, Arilson Wünsch, ao dar as boas vindas aos Representantes Sindicais, pediu concentração no trabalho que seria feito ao longo do evento, já que seriam tomadas decisões importantes para a categoria.

Arilson esclareceu a questão política e legal sobre o SINDIÁGUA representar os trabalhadores em saneamento que atuam em empresas privadas nas cidades de São Gabriel e Uruguaiana. Ele reafirmou que independente de os trabalhadores estarem atuando na iniciativa privada, “esta Direção Sindical jamais abandonará a luta pela água pública, pois cada um de nós sabe de onde veio e para onde vai, caso a privatização avance no Estado.” Wünsch lembrou que essa é uma luta de todos e que a representação, obrigada por lei, não levará ao afastamento desta bandeira. “Continuaremos firmes na defesa da água pública e na luta contra as PPPs!”, afirmou.

Quanto ao Acordo Coletivo de Trabalho, a proposta da Companhia relativa à Campanha Salarial 2014/2015 foi amplamente debatida. A Direção do SINDIÁGUA, além de apresentar o que foi oferecido pela Corsan, explicou, através de sua assessoria jurídica, a Lei Eleitoral, de 1997, que regra as possibilidades de ganhos salariais ao funcionalismo público em anos de pleito.

Após a Corsan acenar com a proposta final, a Direção Sindical procurou nos mais diversos setores da política uma maneira de valorizar nosso ACT. A Direção buscou a assessoria do governo, deputados e a Casa Civil. Como o entrave estava na Procuradoria Geral do Estado, foi através da assessoria jurídica que o Sindicato procurou o órgão para sensibilizá-lo na questão do Acordo.

 

 

Foi esclarecido aos Representantes que a Companhia, se dizendo impossibilitada em conceder o Ganho Real, pretende dar outras compensações. O SINDIÁGUA sugeriu que ao invés da aplicação do INPC (5,82%) no Vale Rancho, fosse dado o valor do aumento da Cesta Básica do RS, em torno de 15%. Com isso, o montante entre Vale Rancho e Vale Alimentação iria para R$ 1.000,22. Além disso, há a chance de a Corsan manter o IDV (PDV) como política permanente de recursos humanos.

Participante do evento, o diretor-presidente da Funcorsan, Rui Porto, falou sobre o PDV e seu impacto da Fundação. Para ele, se cláusula for acolhida, fazendo com que o PDV passe a ser “incorporado” ao contrato de trabalho, será um ganho imenso à categoria.

A Comissão de Negociação, eleita pela categoria em Assembleia Geral, deu seu relato sobre as negociações, em seguida, a Direção Sindical colocou em votação duas propostas: convocar uma Assembleia Geral para deliberar sobre o que foi oferecido; ou a continuidade das negociações criando uma Comissão Ampliada, com dois Representantes de cada Regional do SINDIÁGUA, esta sendo defendida pela Direção Sindical. Por unanimidade, a segunda proposta foi aceita.

A plenária também aprovou que a Comissão Ampliada poderá, em conjunto com a Direção Sindical, convocar Assembleia Geral após novas negociações, desde que a proposta atenda os quesitos mínimos para sua defesa em Assembleia. Caso haja dúvidas ou mudanças de rumo, um novo Encontro de Representantes será marcado.

 

Carta do Saneamento é aprovada

Moção de apoio à PEC da Água será entregue nas Câmaras de Vereadores da Estado

 

A Proposta e Emenda Constitucional 230/2013, a chamada PEC da Água, teve seu espaço durante o encontro. O Diretor de Administração e Finanças do SINDÁGUA, David Barros, detalhou o que o Sindicato argumentou, em ofício entregue ao deputado estadual Dr. Basegio (PDT), relator da PEC na Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, para que o projeto tenha parecer favorável na Comissão, podendo então ir à votação em plenário.

Proponente da PEC, o deputado Daniel Bordignon (PT) participou do evento. O parlamentar relatou que o trabalho feito pelos trabalhadores foi e segue sendo muito importante para a aprovação do projeto. “Sem vocês não vamos a lugar algum”, frisou. Bordignon também advertiu para a necessidade de que a proposta avance neste período pré-eleitoral, evitando assim que sua possível aprovação fique adiada.

Buscando uma nova ferramenta para pressionar o Legislativo, o conjunto de Representantes aprovou a Carta do Saneamento. O texto será entregue nas Câmaras de Vereadores de todo o Rio Grande do Sul. O objetivo é que cada município aprove a Moção em favor da PEC da Água e do saneamento púbico.

Para isso, será de suma importância que cada trabalhador, acompanhado de seu Representante Sindical, visite os vereadores de sua cidade com objetivo de buscar a aprovação desta Moção em, no máximo, 15 dias. Faça sua parte, converse com seu representante na cidade, assim como seu deputado, pois a PEC é de interesse da sociedade gaúcha.

O Sindicato também criou um abaixo-assinado online em favor da aprovação da PEC da Água. Clique aqui, assine e divulgue!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =