SINDIÁGUA com o prefeito de Feliz

Na tarde desta quarta feira, 19 de dezembro, o SINDIÁGUA-RS esteve em audiência com o Prefeito do município de Feliz, senhor Albano José Kunrath que nos recebeu acompanhado do Procurador Jurídico da Prefeitura, senhor Adalberto Bairros.

A pauta da reunião foi o episódio provocado pelo Diretor Eduardo Carvalho da Corsan que desencadeou um litígio desnecessário com o poder concedente dos serviços de saneamento de Feliz, onde havia um contrato de programa assinado e o Diretor resolveu unilateralmente descumpri-lo.

Restou deste litígio um enorme passivo para a Corsan que não cobrou tarifa, mesmo prestando o serviço, durante três anos e meio.

Certamente hoje o que deve estar ocupando muito a cabeça do Diretor é arranjar alguma maneira de descaracterizar a renúncia de receita e, por conseguinte, a improbidade administrativa pela decisão de não cobrar um serviço que foi prestado por tanto tempo.

E também a preocupação do diretor deve girar em torno de sua declaração na Sessão nº 30 da Agergs de que não cobrava tarifa por que a água não tinha qualidade.

O SINDIÁGUA-RS decidiu fazer alguns alertas ao Prefeito sobre estes dois temas.

Sobre a cobrança de tarifa, o chefe do Executivo de Feliz afirmou que, sendo a cobrança realizada a partir da decisão da Agergs, ele não tem obstrução alguma à cobrança.

Chegou a dizer que durante o período em que Eduardo Carvalho decidiu não cobrar, muitos usuários procuravam a prefeitura e a Corsan querendo pagar a tarifa. Ou seja, conclusão nossa, os usuários não tem culpa de uma decisão estapafúrdia de um Diretor da Corsan.

Entendemos que, se foi ele quem criou a situação, ele que saia desta situação sem envolver terceiros que nada tem a ver com isso.

Sobre a alegação de Carvalho, afirmando que a água não tinha qualidade, o Prefeito disse que tem as análises que eram feitas antes de passar os poços à Corsan. Em nenhuma delas constava algum tipo de irregularidade com a água.

Nós do SINDIÁGUA levamos ao prefeito histórico de análises dos poços realizadas pela Corsan nos anos de 2015, 16, 17 e 2018, material retirado do próprio site da Corsan. Em todas elas a Corsan diz que a água estava dentro dos padrões.

Quer nos parecer que o Diretor não entendeu nesse jogo quem é o Poder Concedente e quem é a Concessionária. Uma prefeitura não pode ser desrespeitada dessa maneira.

Nosso SINDIÁGUA se colocou a disposição do Prefeito para qualquer investida do Diretor que possa ferir o Contrato de Programa ou a decisão proferida pela Agergs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − oito =