Sindiágua na luta com as mulheres na Marcha das Margaridas 2019

Na ultima quarta feira, 14 de agosto, mais de 100 mil mulheres floriram a Capital Federal marchando em direção a esplanada dos ministérios na Marcha das Margaridas.

A proposta da Marcha das Margaridas é fazer entender que é preciso enfrentar as contradições de classe, transformar as relações entre os gêneros e entre as gerações, combatendo fortemente o preconceito e o patriarcado.

Para as mulheres do campo, da floresta, das águas, a marcha tem sido um caminho coletivo de construção de um projeto de uma sociedade que propõe e pensa em um Brasil sem violência, com democracia, soberania popular, onde as relações sociais sejam pautadas nos valores da ética, solidariedade, reciprocidade, justiça, total responsabilidade e respeito à natureza.

As Margaridas, marcham para denunciar a retirada de direitos que foram duramente conquistados e consagrados na Constituição Federal de 1988 além de outros temas de extrema importância para a categoria entre eles:

* Retrocessos políticos;

* Programas públicos;

* Efeitos da política de austeridade;

* Reforma da Previdência;

* Ação sistêmica do racismo e do sexismo, fundamentalismo;

* Intolerância religiosa;

* Violência contra as mulheres;

* Aumento da criminalização do aborto;

* Crimes ambientais;

* Flexibilização da posse de armas;

* Ausência de regularização fundiária;

* Aumento de concentração de terras;

* Expansão do latifúndio;

* expropriação violenta de terras;

* Ataque sistemático;

* Criminalização ao movimento sindical e social;

* Desigualdade salarial;

* Pouca representatividade de mulheres nos espaços de poderes;

* Desmonte do Estado Democrático de direito;

* Aumento considerável de níveis de agrotóxicos na alimentação.

As Representantes do Sindiágua estavam lá, lutando junto com as Margaridas pelo direito de todas.

Para Ana Cruz, secretária de saúde e segurança do trabalhador/trabalhadora do Sindiágua a marcha é um momento histórico para as mulheres, “São esses ataques que não cessam, e nos mulheres precisamos seguir unidas para combatê-los”, afirma.

A secretária Regional Renata Valim acredita que estar na Marcha das Margaridas demonstra exatamente o que um dos slogans dizem, “Somos como as águas, crescemos quando nos encontramos”.

“Somos mais de 50% da população brasileira e seremos as responsáveis pela revolução que irá acontecer, seja agora ou mais em frente. Basta multiplicarmos a força que temos, despertar em cada mulher o poder que cada uma detém, não podermos permitir a retirada de direitos, os venenos em nossos alimentos e na nossa água, não podemos permitir que homens decidam pelos nossos corpos”, conclui, Renata.

As dirigentes Marlei Mesquita, Simone Dutra e Rosane Gonlçaves também representaram o Sindiágua na caminhada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + dezesseis =