Sindiágua reforça ao Governo do Estado importância de suspender a venda da Corsan

Reunião ocorreu nesta segunda-feira, 20, com a chefia da Casa Civil

O Sindiágua/RS esteve em audiência na Casa Civil nesta segunda-feira, 20/06, reforçando o pleito ao Governo do Estado para suspender a intenção de venda da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) anunciada para julho.

O representante dos cerca de dez mil trabalhadores/as e assistidos da Fundação Corsan entregou documentos mostrando a capacidade de investimento da Companhia para atender ao novo marco regulatório e também apontamentos de supostas irregularidades no processo de privatização. “Viemos uma vez mais dialogar com o governo com argumentos técnicos contundentes que apontam as vantagens em manter a Corsan pública”, enfatizou o presidente do Sindiágua, Arilson Wünsch ao entregar os documentos ao secretário Artur Lemos Júnior.

“Se antes dessa reunião o Governo dizia não saber da capacidade financeira da Corsan, há farto material técnico comprovando. É criminoso dar continuidade à privatização diante desse quadro. Confiamos que as autoridades atuem e evitem esse desastre que lesa o povo gaúcho”, expressa Wünsch.

O dirigente do Sindiágua também entregou relatório solicitando a realização de concurso público devido ao déficit de mais de 1300 funcionários que compromete a execução de atendimentos especializados, em particular nos serviços de tratamento da água e esgoto, setor que pode entrar em colapso por falta de pessoal.

Condutas irregulares

A entidade sindical ressaltou ainda que enviou ao Conselho de Administração da Corsan documentos e áudios que comprovam o assédio a prefeitos para que assinassem os aditivos contratuais visando à privatização. As provas comprometem o presidente da Corsan, Roberto Barbutti e sua assessoria direta.

“Lamentamos que essas condutas sejam praticadas pela direção da Corsan e por integrantes do Conselho de Administração que representam o governo. Registramos ainda o afastamento ilegal de conselheiro legitimamente eleito como representante dos trabalhadores, em descumprimento à legislação”, detalhou Wünsch na audiência. As irregularidades já foram encaminhadas anteriormente ao Conselho de Administração sem nenhuma providência, observa o dirigente.

Também foram apresentadas demandas da Fundação Corsan relativas a temas previdenciários. “Por inércia do Governo do Estado, o déficit teve um aumento considerável”, registrou o secretário de Saneamento Ambiental e Serviços Municipais do Sindiágua, Vinícius Giordani, presente na atividade. Também participaram da agenda o Secretário Extraordinário de Parcerias do RS, Leonardo Busatto e a secretária do Meio Ambiente, Marjorie Kauffmann.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × um =