PRIVATIZAÇÃO: UM MAU NEGÓCIO QUE VAI DOER NO SEU BOLSO

Foi lançado o edital da privatização da Corsan e chama a atenção a pressa do governo do Estado em se desfazer de um patrimônio público e lucrativo. Apenas 15 dias separam a publicação e a data da entrega de propostas para o leilão. Para você ter uma ideia, na privatização da CEDAE, no estado do Rio de Janeiro, o mesmo processo levou 4 meses.

QUEREM LIQUIDAR EM 15 DIAS UM PATRIMÔNIO QUE OS GAÚCHOS LEVARAM 57 ANOS PARA CONSTRUIR

Não estamos falando de qualquer patrimônio, mas de algo essencial para a vida: a nossa água. Um recurso estratégico, valioso, finito e que desperta a cobiça no mundo todo. Aliás, muitos países que entregaram a sua água para a iniciativa privada, agora, estão fazendo o caminho inverso e reestatizando suas companhias de água e saneamento.

Sabemos que os “investidores e fundos de investimentos”, que arrematam as empresas públicas em leilões, têm como objetivo gerar lucro para seus acionistas, diferentemente do Estado, que trabalha em benefício do cidadão, com justiça social. Em função disso, a privatização representará, para cada um de nós, o aumento imediato no preço das contas de água.

ESCÂNDALO: PRESTE ATENÇÃO NOS NÚMEROS!

A Corsan deve fechar o ano de 2022 com uma arrecadação de 3,5 bilhões de reais e, pasmem, o governo estadual fixou o valor mínimo para venda em apenas 4,2 bilhões de reais. Se considerarmos apenas o lucro gerado pela Companhia, 800 milhões de reais ao ano, em 5 anos todo o investimento feito por quem arrematar a Corsan já estará pago. Isso tudo feito às vésperas do final de ano, com a iminente troca de comando no governo federal e uma mudança já anunciada na política de investimentos, favorecendo as companhias públicas.

Por que não esperar?

O GOVERNO ALEGA NÃO TER DINHEIRO PARA CUMPRIR O MARCO DO SANEAMENTO.

ISSO É MENTIRA!

Veja no quadro abaixo o que a Corsan já tem e o que está programado até 2033:

Para ficar mais claro: a empresa que comprar a Corsan terá a obrigação de realizar apenas 13,35% restantes no investimento em esgotamento sanitário e em torno de 1% em investimento em água. O Estado não faz porque não quer. Essa é a verdade. Da forma como está encaminhando, esse é um verdadeiro negócio de compadres e um atentado aos cofres públicos.

O PRÓXIMO GOVERNADOR TEM SEUS PLANOS FORA DO ESTADO, MAS OS PREFEITOS TERÃO QUE RESPONDER AOS SEUS ELEITORES EM CADA ESQUINA

Os municípios são os contratantes do serviço de fornecimento de água e saneamento. Os prefeitos não são obrigados a concordar e contratar uma empresa privada qualquer que venha a comprar a Corsan. Até porque o prejuízo virá rápido com o fim do subsídio cruzado praticado pela Companhia pública, que permite que municípios menores possam ter tarifas compatíveis com a sua realidade. E mais: quando acabarem com a Tarifa Social, quando a conta vier mais cara e o serviço piorar, a cobrança não será sobre o governador, mas aos prefeitos e vereadores que concordarem com isso.

Prefeitos, ainda podemos evitar esse absurdo. Junte – se isso ao movimento em defesa da água pública e pressione o governo estadual a cancelar o edital e discutir o tema com mais responsabilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − 8 =