Mais de 70% dos municípios dizem não à privatização da Corsan

Mais de 70% dos municípios dizem não à privatização da Corsan

Menos de 30% dos municípios gaúchos que mantêm contratos com a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) assinaram os aditivos até ontem (16/12), prazo limite concedido pela lei estadual nº 15.708/21.
“Foi uma vitória para quem defende o serviço público e uma derrota para quem deseja entregar os serviços de água e esgoto do Rio Grande do Sul para a iniciativa privada”, declarou o presidente do Sindiágua, Arilson Wünsch, nesta sexta-feira (17/12) após o balanço.
“A tentativa fracassada do governador Eduardo Leite e do presidente da Corsan para entregar os serviços de saneamento aos amigos da iniciativa privada enfrenta muita resistência na maioria dos gestores municipais”, destacou o dirigente.
O Sindiágua denunciou uma ofensiva feita pelo governo estadual nos últimos 90 dias ao desembolsar mais de R$ 3 bilhões com a intenção de que os prefeitos assinassem o aditivo.
“Apesar da tentativa de comprar a outorga, mais de 70% dos 307 municípios atendidos pela Companhia disseram não à privatização”, ressaltou Wünsch.
“Ao invés do governador destinar recursos aos municípios para aderir à privatização poderia investir no saneamento”, acentuou. Para Arilson Wünsch, isso prova que a preocupação não é o saneamento, mas interesses econômicos e trocas políticas com interesse eleitoral.
Com a água privatizada não há garantia de que o cidadão consega pagar pelo serviço. Há inúmeros exemplos no mundo de reestatização pela piora do abastecimento e preços abusivos, observou o presidente do Sindiágua. “A entidade segue mobilizada com todo seu quadro para assegurar a água e o saneamento básico como direito social, humano e essencial”, concluiu Wünsch.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 6 =