ARTIGO: O LEILÃO QUE DEVE SER ANULADO E A CPI DA CORSAN – Por Arilson Wünsch

Todos sabem que o grande objetivo de governo Eduardo Leite é a privatização da ÁGUA dos gaúchos. Para isso, ele trabalhou desde sua eleição em 2018 até a presente data, sem sucesso.

Desde que anunciou oficialmente a “doação” da Corsan, já se passaram mais de dois anos, inicialmente com a tentativa frustrada do IPO e finalizando com o leilão em dezembro de 2022, que está inconcluso, sem previsão da assinatura do contrato.

O Sindiágua/RS encaminhou várias denúncias que apontam para possíveis irregularidades nessas manobras do Governo do Estado, que vão desde a subvalorização da Companhia, ridículos R$ 4.151mi, até possíveis informações privilegiadas para a empresa que arrematou a Corsan – AEGEA, afastando outras interessadas nacionais e internacionais do ramo de saneamento.

Por que insistimos na suspeita de informações privilegiadas?

  1. A AEGEA, ÚNICA empresa que participou do certame, está ‘trabalhando’ na Corsan desde 2012, governo Tarso Genro – PT, na construção do Programa de Manifestação de Interesse – PMI, em 117 municípios do Estado;

  2. Já no Governo Sartori – MDB –, a mesma empresa participou dos estudos para implementação da Parceria Público Privado – PPP – na mesma modelagem do governo anterior, a ser implementada na região Metropolitana de Porto Alegre;

  3. Ainda em 2019, o Governo Leite assina essa PPP dos serviços de esgotamento sanitário na Região Metropolitan e a AEGEA se associa a Corsan, assumindo também o controle do setor comercial da Companhia Pública de Saneamento.

Com tudo isso, o consórcio arrematante de 2022 sequer deveria participar do leilão.

O Governo do Estado e a direção da Companhia noticiam que a Corsan tem apenas 20% de cobertura de esgoto e que não tem condições de atingir a meta proposta de 90% para 2033. Porém, omitem que somente AEGEA/Metrosul, na área da PPP da Região Metropolitana, deverá entregar, por força de contrato, em torno de 10% de cobertura total até a data limite de 2033.

E mais, o Governo não divulga os números de obras em andamento, obras concluídas e não contabilizadas, além do programa Solutrat Corsan que deverá cobrir 35% das economias atendidas com água, ou seja, 1.2 milhão de economias atendidas até 2033. Esse Programa já deveria estar implantado, mas para justificar a privatização foi “escondido” da população, deixando as pessoas convivendo com o esgoto a céu aberto e contaminando os nossos mananciais.

Quem quer a privatização da água não fala sobre isso, porque esses números significam um aumento no preço da Corsan, na sua avaliação. É evidente que com todas essas obras prontas e executadas com recursos públicos, diminui o investimento da compradora, gerando prejuízo para os cofres públicos.

É essencial que a Assembleia Legislativa INVESTIGUE de forma séria a falta de transparência em todo esse processo. Há muita coisa a ser esclarecida à população gaúcha. Não podemos negociar a SAÚDE das pessoas para beneficiar a ganância pelo lucro de setores privados do saneamento.

Seguiremos na resistência contra a PRIVATIZAÇÃO DA ÁGUA!

CPI da Corsan, já!

Arilson Wünsch – Presidente do Sindiágua/RS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 1 =